Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O lápis que vê

O lápis que vê

30 de Março, 2020

Diário (em tempos de pandemia) | Diary (in pandemic times) #4

Ana Isabel Sampaio

Copy of Copy of Copy of Copy of Cópia de Cópia d

Que irritação. Irrita-me não me sentir tão produtiva como queria. Irrita-me não conseguir lidar tão bem com isso como queria. Irrita-me não conseguir ler, meditar, serenar como queria… Que mania de estar sempre ocupada. Ainda assim no meio do turbilhão de sentimentos, de momentos que considero desperdícios de tempo e energia percebo que não há muito a fazer. Este confinamento não traz um plano definido. 

O tempo que sobra para pensar. As distrações. A vida em suspenso. O reaprender. E aceitar. Engraçado que é fácil para mim aceitar esta mudança por que o mundo está a passar. Uma mudança difícil, mas necessária além do medo que agora paira. 

Então o que está a ser difícil de aceitar? Ou então é só a passagem, como quando estamos a atravessar aqueles túneis dos comboios antes de sair no destino do outro lado.

 

The irritation. It irritates me not to feel as productive as I wanted to. It irritates me that I can't handle it as well as I wanted to not being productive I mean. It irritates me not being able to read, meditate, calm down as much as I wanted… 

What a bad habit to always try to be busy.

Still, in the midst of the whirlwind of feelings, of moments that I consider to be wasted time and energy, I realize that there is not much to do. This confinement does not have a defined plan.

The time left to think. The Distractions. Life on hold. The relearn. And accept. Funny how easy it is for me to accept this change that the world is going through. A difficult but necessary change beyond the fear that now hangs.

The time left to think. The distractions. Life on hold. The relearning. The acceptance. Funny how easy it is for me to accept this change that the world is going through as a collective. A difficult but necessary change beyond the fear that now hangs upon everyone.

So what is being difficult to accept in personal terms? Or is it just this strange passage, as when we are crossing those train tunnels before arriving at the other side?