Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O lápis que vê

O lápis que vê

25 de Outubro, 2018

I had to...

Ana Isabel Sampaio

I had to let go of people I wanted to keep forever.

It has become my biggest strength and the key to my soul freedom. If you understand that you have to give people the space and respect to follow their path even if it leads astray from you, you understand that you have to give yourself the same respect and space.

Understand that love is all mighty and ever lasting and cannot be encompassed or restrained. It flows everywhere. It never ceases. It finds new ways of expression.

So don’t waste my time with petty things...  Anything that is not soulfull is not enough...

(Desta vez é só em inglês. O meu cérebro deriva vezes demais nessa língua e há expressões que fazem tão mais sentido…)

25 de Outubro, 2018

Toda e qualquer... | Any...

Ana Isabel Sampaio

Toda e qualquer relação que possa ser arruinada por ter uma conversa acerca dos teus sentimentos, emoções, limites, padrões e|ou expectativas nunca foi estável o suficiente. Abrir o coração com confiança deve ser recebido como uma bênção e não uma ameaça.

Any relationship you have that could be ruined by having a conversation about your feelings, standarts, boundaries and|or expectations wasn’t really stable to begin with. Pour your heart open with trust should be received as a blessing and not as a threat.

25 de Outubro, 2018

Sobrecarregado? | Overwhelmed?

Ana Isabel Sampaio

Não é novidade que o ritmo de hoje em dia é alucinante. A quantidade de coisas a que se tem de dar resposta chega a ser surreal. Sem falar que se espera que as pessoas vivam como robots – como se não tivessem emoções, sentimentos e necessidades básicas.

Também não é por acaso que, de tudo isto, está a ganhar força um movimento, ou uma forma de estar na vida diferente, uma revolução silenciosa e discreta de volta às origens, de religação ao coração, a uma forma mais simples de vida, mais bonita e calma, onde a criatividade individual é respeitada e os ritmos de cada um se juntam e interligam formando bonitos padrões de relações e vida.

Há um perigo real de não parar, de estar sempre em piloto automático. A síndrome de burnout é cada vez ais frequente. Muitas vezes até incompreendido, porque, aparentemente a pessoa “até tem tudo…” Tem tudo menos ligação à sua alma.

Quais são os sintomas aos quais devemos estar atentos:

- Dificuldade em dormir ou dormir muito;

- Cansaço constante, independentemente da quantidade de descanso (não é o corpo que está cansado, é a alma);

- Falta de energia;

- Perda de apetite ou comer exageradamente;

- Dificuldade de concentração;

- Falta de motivação;

- Muito temperamental ou emocional (não que haja nada de errado com emoções ou senti-las, pelo contrário, mas se houver um excesso é sinal de desequilíbrio);

- Sensações corporais variadas: dores de cabeça, suores, boca seca, cansaço, enjoos, tremores, sensação de sufoco, tensão especialmente nas costas e pescoço, palpitações, dores de estomago, falta de força nas pernas, sensação de picadas.

O que se pode fazer:

- Instituir uma rotina, nomeadamente de sono, dormir num ambiente tranquilo sem excesso de informação;

- Ir para a cama a uma hora razoável;

- Praticar exercícios de relaxamento e respiração consciente;

- Comer conscientemente e saudável;

- Estabelecer uma rotina e horário para comer;

- Praticar exercício física adequado à personalidade e ao corpo;

- Fazer uma coisa de cada vez e dividir tarefas em tarefas mais pequenas;

- Estabelecer listas e planos de ação para ser mais fácil a organização mental;

- Tirar tempo para estar consigo mesmo;

- Auto-cuidado;

- Meditação;

- Partilhar e falar com um amigo de confiança;

- Procurar terapia se for o caso, hoje em dia já há uma vasta oferta do tradicional ao holístico, deve é ser tido em conta cada necessidade, a seriedade do profissional e como nos sentimos nessa terapia;

- Rir muito, rir é sempre o melhor remédio. O humor pode salvar o mundo…

 

The pace of todays world is overwhelming. The amount of things that one has to answer is surreal. Not to mention that people are expected to live like robots - as if they don't have emotions, feelings and needs...Nor is it by chance that, from all this, a movement, or a way of living that is gaining momentum... a silent and discreet revolution back to the origins, a reconnection to the heart, a simpler way of life, more beautiful and calm, where individual creativity is respected and the rhythms of each one come together and interconnect forming beautiful patterns of relationships and life.There is a real danger in not stopping, of always being on autopilot. Burnout syndrome is becoming more and more frequent and often misunderstood specially with people that apparently  "has everything ..." It has everything but connetion to ones soul.

What are the symptoms to watch out for:- Difficulty sleeping or sleeping a lot;- Constant fatigue, regardless of the amount of rest (it is not the body that is tired, it is the soul);- Lack of energy;- Loss of appetite or overeating;- Difficulty concentrating;- Lack of motivation;- Very moody or emotional (not that there is anything wrong with emotions, on the contrary, but if there is an excess is a sign of imbalance);- Various body sensations: headaches, sweating, dry mouth, tiredness, feeling sick, tremors, feeling of suffocation, tension especially in the back and neck, palpitations, stomach pains, lack of strength in the legs, sting sensation.What can be done:- Establish a routine, namely a sleeping one, sleep in a quiet environment without excessive amount of information;- Go to bed at a reasonable time;- Practice relaxation exercises and conscious breathing;- Eat consciously and healthy;- Establish a routine and a time todo the meals;- Practice exercise appropriate to the personality and the body;- Do one thing at a time and divide tasks into smaller ones;- Establish lists and action plans to make mental organization easier;- Take time to be with yourself;- Self-care;- Meditation;- Share and talk with a trusted friend;- Seek therapy if needed, nowadays there is a vast offer from traditional to the holistic therapies, it must be taken into account every need, the professionalism and how we feel in this therapy;- Laugh a lot, laughing is always the best medicine. Humor can save the world ...