Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O lápis que vê

O lápis que vê

12 de Julho, 2018

...

Ana Isabel Sampaio

Como começa um caminho espiritual? Como se decide? São boas perguntas e acho que cada um tem de responder por si. Para mim, sempre me senti ligada ao místico, ao espiritual. Inicialmente fazia essa ligação através da religião. Até que percebi que não respondia às minha demandas, muitas vezes não correspondia aos meus valores e não correspondia à ideia que tinha de Deus.

Passei também algum tempo de puro ceticismo. Havia muitas certezas dentro de mim, mas também muita necessidade e ânsia de procura.

Há cerca de mais ou menos oito anos essa ânsia aumentou. Aconteceu uma ativação, que na altura não sabia o que era e me levou a uma procura mais profunda. Inicialmente através de um aumentar de descontentamento que me fez perceber que alguma coisa não estava a ir no sentido que eu queria. Ou muitas coisas. Ou eu própria.

Nos últimos cerca de três anos esse crescimento foi catapultado numa rapidez que nem eu própria achava possível.  Foram tempos de grandes descobertas e mudanças. Grandes dores e momentos difíceis. E momentos que indescritíveis e inesquecíveis.  Mas foi também a expansão exponencial do meu coração e da minha capacidade de amar.

Agora sei mais que nunca o que vim cá fazer. Compreendo muita coisa. Tive de procurar, vasculhar além dos preconceitos e do que se vê a olha nu, além do que é obvio. Acho que é esse a maneira como cada um deve procurar – olhar sem filtros para si e procurar o que certo para si, não o que é confortável ou mais fácil, mas aquele certo que bate com o coração. Aquele certo que trás paz nas decisões o nas ações…

Sinto-me extremamente grata por absolutamente tudo. Até pelas noites mais negras (algumas que me fizeram questionar a minha sanidade e o meu discernimento). Porque hoje não poderia estar aqui conscientemente a falar disto, escrever artigos e transformar a minha dor, as minhas conquistas, o aprendizado e todo este caminho em algo útil e que, pode não ser muita gente, mas dá o seu contributo.

Conheci pessoas de todo o mundo. Senti-me ainda mais agradecida pela minha família e amigos. Atrevi-me a enfrentar medos de frente. Encontrei sabedoria nos locais mais inesperados. Estudei. Viajei (não tanto quanto queira 😊). Li. Comecei a praticar yoga. Falhei redondamente, mas também acertei muito. E fiz tantas coisas que nunca tinha ponderado.Não há nada de que me arrependa. E ainda há caminho que quero fazer, coisas que quero experimentar, pessoas que quero reencontrar e um agradecimento e algo especial que quero muito fazer… Nunca senti a magia e maravilha que esta experiência que nos foi emprestada - a vida de forma tão intensa. Por isso, neste momento de grande mudança no nosso planeta, não se acanhem. Vão fundo em vocês e reencontrem-se.

Juro que vale a pena.

PS - Acredito que tudo é espiritual. Por isso não distingo aqui as terapias mais tradicionais das mais fora da caixa, nem artigos académicos de questões mais abstratas. Desde que me soa a verdade e a boa energia e que sinta que pode ser útil partilho, escrevo, comento…  Este blog é apenas um contributo cheio de Amor que me faz sentir agradecida e ao mesmo tempo extremamente humilde...